Como transportar o pet no carro

Quem tem um animal de estimação e gosta ou precisa levar o bichano de carro, seja para um deslocamento breve ou para uma viagem, não pode descuidar da segurança. O cuidado ao transportar o pet no carro é fundamental para garantir a integridade do bichinho, dos demais ocupantes do veículo e até de quem está fora do carro.

Um animal transportado de forma inadequada pode causar um acidente ao chamar a atenção do motorista ou serem arremessados em caso de acidente, podendo sofrer um acidente fatal ou ferir os ocupantes do veículo ou pessoas próximas ao ocorrido.

Transporte incorreto do pet

Por isso, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê as seguintes sanções:

Art. 235. Conduzir pessoas, animais ou carga nas partes externas do veículo, salvo nos casos devidamente autorizados:

  • Infração – grave;
  • Penalidade – multa;
  • Medida administrativa – retenção do veículo para transbordo.

Além disso, o motorista perde até 5 pontos na carteira, e deve pagar uma multa de R$127,69 ou até ter o carro apreendido.

pet-no-banco-de-trás-do-carro

Art. 252. Dirigir o veículo: II – transportando pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas

  • Infração – média;
  • Penalidade – multa.

Como nos casos em que o motorista leva o seu animal no colo. A multa a ser paga nesses casos é de R$85,13.

Art. 169. Dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança:

  • Infração – leve;
  • Penalidade – multa.

Transportar o animal solto dentro do veículo gera multa de R$ 53,20 e três pontos na carteira.

Transportar o pet no carro com segurança e dentro da lei

Veja abaixo as três maneiras mais comuns para transportar o pet no carro:

Caixa de transporte

Indicada para todos os portes de animais, a caixa de transporte especial para pets é uma ótima alternativa para transportar seu bichinho de estimação. Ela deve ser grande o suficiente para que o animal consiga levantar e dar uma volta. Esse espaço será suficiente para que o bichano se acomode com conforto.

Se for realizar uma viagem longa, utilize um tapete higiênico para o caso de ele fazer suas necessidades ali mesmo. Também é recomendável anexar um comedouro e um bebedouro portáteis na caixa.

Coloque a caixa no banco traseiro e prenda-a com o com o cinto de segurança. Procure acostumar seu pet com a caixa de transporte antes de levá-lo pela primeira vez. Assim você não causa mais estresse para o animal.

gato-em-caixa-de-transporte

Caso o seu cachorro for muito grande, como um Dálmata ou Dogue Alemão, é bem provável que a caixa de transporte não caiba no banco traseiro do seu carro. Então você precisa contar com um serviço especializado, como um Táxi Pet, que irá levá-lo em um veículo adequado.

Cinto de segurança peitoral

Ideal para cães de médio e grande porte, o cinto de segurança peitoral distribui o tranco, em caso de frenagem ou acidente, de forma nivelada no corpo do animal. O acessório é preso na fivela do cinto através de um adaptador. Com ele, o bichinho pode transitar um pouco no banco traseiro. Tome cuidado para não deixar a alça frouxa demais, pois assim o animal pode cair e se machucar.

Assento cadeirinha

Para cães de pequeno porte, o assento cadeirinha é uma alternativa ao cinto de segurança peitoral para que o cão não fique tão livre no banco traseiro. É indicada principalmente para os animais que não gostam de ser transportados na caixa de transporte. O assento dá mais liberdade de movimento, tem fivela de regulagem e é compatível com o cinto de segurança.

 

E aí, anotou as dicas para transportar o pet no carro com segurança e obedecendo as leis de trânsito? Cuide de quem você ama, transporte seu pet com cuidado.

Conheça a assistência de emergência Ford

A segurança dos ocupantes do veículo é um dos fatores mais importantes. É claro que ninguém anda de carro pensando em sofrer um acidente, mas quando essa fatalidade acontece, é essencial contar com a melhor assistência do mercado. Foi pensando nisso que a Ford desenvolveu a assistência de emergência SYNC.

Como funciona

O sistema de assistência de emergência está programado para realizar uma ligação automática para o serviço de emergência 192, do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), em casos de acidente. A função é acionada automaticamente sempre que os airbags do veículo são disparados ou quando acontece a ativação do corte da bomba de combustível. Essa ativação acontece em algumas colisões traseiras ou capotamento.

tela do SYNC - assistência de emergência
O SYNC realiza a ligação para a central e informa automaticamente que aconteceu um acidente e qual a localização exata do veículo. Depois, o microfone é aberto e os ocupantes podem se comunicar com o atendente do serviço. Assim, o SAMU pode enviar uma ambulância para realizar o resgate mesmo que os ocupantes do veículos estejam impossibilitados de falar ou sem acesso ao telefone para realizar a ligação. Caso o sistema tenha sido acionado e não seja necessário o atendimento, é possível informar na ligação para o atendente do SAMU.
A mensagem do sistema é essa: “Atenção: um veículo Ford esteve envolvido num acidente. Aguarde o envio das coordenadas GPS, seguido da comunicação com os ocupantes do veículo. Um veículo Ford esteve envolvido num acidente nas seguintes coordenadas: latitude X e longitude Y. Repetindo localização (repete). Linha aberta.”
Para que o sistema possa ser acionado, é necessário que o sistema SYNC esteja pareado com um celular, através da conexão Bluetooth. A assistência de emergência é acionado somente de forma automática, sem disponibilizar um botão para ativação manual, a fim de evitar a realização de chamadas falsas.

Veja como funciona a assistência de emergência Ford:

Veículos equipados

O sistema de assistência de emergência está disponível nos veículos equipados a partir do SYNC 2. São os seguintes modelos: Ranger (todas as versões com SYNC 2), New Fiesta Sedan (todas as versões com SYNC 2), Fusion (a partir do modelo 2015), Focus (a partir do modelo 2016) e Edge (a partir do modelo 2016).
A assistência funciona sem nenhuma cobrança durante toda a vida útil do veículo.

SYNC

O sistema de conectividade desenvolvido pela Ford em parceria com a Microsoft é o mais avançado do mercado. Com tela multimídia, se conecta ao celular permitindo acesso aos contatos da agenda, chamadas telefônicas e controle do rádio e do MP3-player através de comando de voz.

Segredos para gastar menos com seguro de carro

Saiba como contratar um seguro que não vai te deixar na mão

Todos nós sabemos que o seguro de automóvel é um serviço simplesmente indispensável para motoristas que enfrentam o dia a dia da cidade ou das estradas. Claro que sempre esperamos não precisar dos serviços de seguro contra roubo ou danos no veículo, mas como nossas avós espalharam a sabedoria: “é melhor prevenir que remediar.”

A Ford Slaviero oferece pacotes para seguro de automóveis completos que garantem qualidade de serviço em manutenções, segurança nas ruas e nas estradas, atendimento pleno e atenção com o carro e o dono. Aliás, se a Ford fabrica o carro, o que ela quer é ver esta obra de arte rodando sem problemas por aí.

Saber que precisamos assegurar nossos carros nós sabemos, mas às vezes os custos fogem do nosso orçamento. Para você ficar tranquilo, escrevemos uns segredinhos para economizar no seguro e não deixar ninguém passar sufoco.

1. Antes de comprar o carro, simule os preços de seguros

O primeiro passo da economia é conhecer o carro que você deseja comprar antes de efetivar a compra. Se você está pensando em comprar determinado modelo ou precisa trocar o seu veículo e não sabe qual a melhor opção ainda, antes de decidir, converse com um corretor de seguros sobre tudo. Sim, tudo. Um bom corretor vai saber te dizer quais carros são mais visados por ladrões e quais modelos geram menos gastos com manutenções de peças.

espelho retrovisor de carro

2. Conheça quais carros são mais expostos a riscos

Alguns modelos de carros apresentam mais riscos que outros. Não na qualidade do veículo, mas nas condições de roubos, por exemplo. Especialistas afirmam que carros com mais volume de frotas nas ruas costumam ser mais roubados, apenas porque além de dificultar a busca do seu carro roubado, a venda ilegal de peças roubadas é maior para quem faz este comércio clandestino. Os custos de seguro para carros mais visados é maior, porque infelizmente os riscos são maiores.

3. Faça negócio apenas com um bom corretor

Pode parecer uma dica óbvia, mas é super importante. Um bom corretor não é apenas o profissional atencioso que ajudou a vender um seguro completo para o seu carro. O corretor ideal é aquele cara que tem experiência com departamento de sinistros, está 24h disponível para resolver qualquer problema que venha acontecer com seu carro e saberá não apenas te ajudar no preenchimento da ficha do seguro, mas reduzirá os prazos de indenizações e sua dor de cabeça para resolver o que você precisar.

rua à noite com luzes de faróis

4. Não economize com qualquer coisa

Apesar de pensarmos em primeiro lugar na redução de custos de todos os cantos e maneiras, fazer economias bobas de pequenos valores pode nos fazer optar por um serviço incompleto e trazer dores de cabeça futuras. Um exemplo disso é você economizar uns R$200 fazendo apenas um seguro contra roubo e deixando de lado o seguro de dano a terceiros.
Um seguro de dano a terceiros não apenas abrange os reparos no carro do outro como também possui um fundo de valores para danos morais que inicia com R$ 50 mil e por apenas mais R$200 mil se estende a R$ 500 mil.

5. Pague apenas o que você precisa

Tudo bem que a melhor saída sempre é se assegurar de todos os possíveis problemas que podem surgir na vida do seu carro. Mas se seu objetivo é economizar, estudo junto com um bom corretor, como fazer um seguro que vai te ajudar nos problemas principais que podem vir a acontecer e não pague por serviços extras. Um exemplo desses serviços são os de descontos em estacionamentos e despachante e até serviços de reparos na sua casa. Foque naquilo que é essencial para você agora.

Essas foram apenas 5 dicas infalíveis e principais para você chegar numa seguradora ou na concessionária decidido do que quer e precisa. Assim, você nos ajuda a te ajudar da melhor maneira possível e gastando menos. Aliás, o que buscamos é ver você rodando despreocupado com o seu Ford pelas ruas da cidade e rodovias.

Focus, Ranger e Eco Sport, os veículos mais seguros do Brasil

OS VEÍCULOS MAIS SEGUROS – CESVI ATUALIZA SEU ÍNDICE DE SEGURANÇA, AUMENTA OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E APONTA OS 20 MODELOS COM MELHORES CONJUNTOS DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO MERCADO NACIONAL

Idealizado em 2008 pela área de Pesquisa do CESVI BRASIL, o Índice de Segurança foi lançado para estabelecer um ranking de veículos baseado na presença de equipamentos de segurança em cada modelo. E agora esse índice mudou, adotando novos critérios, ficando mais rígido – em linha com o que os principais órgãos de classificação de veículos do mundo ligados à segurança têm feito. Sejam equipamentos de segurança de última tecnologia ou soluções mais simples, o fato é que um conjunto bem completo deles torna os veículos muito mais seguros. Nesta matéria, você vai conferir quais os modelos mais bem classificados entre os mais vendidos do mercado brasileiro – são os veículos mais seguros que você poderá encontrar nas concessionárias do país.

AS NOVIDADES DO ÍNDICE 

A necessidade de renovar o modelo tem a ver com o lançamento, pelo próprio CESVI, do Índice de Furto, em 2012 (o antigo Índice de Segurança incluía a segurança patrimonial, que com o ranking relacionado à prevenção ao furto ganhou um índice exclusivo para o tema), e com o surgimento de novos equipamentos de segurança desde 2008. Os veículos agora, além de um índice numérico (quanto menor o número do índice, melhor a classificação), são classificados entre 1 e 5 estrelas (quanto mais estrelas, melhor a classificação do carro). A pontuação de cada veículo considera pesos diferentes entre os cinco grupos básicos de equipamentos de segurança existentes nos mais modernos veículos da indústria. Os pesos foram divididos da seguinte forma:

Esse equilíbrio entre os pesos considerou a importância já comprovada dos equipamentos de segurança, colocando mais da pontuação na classificação sob os itens de segurança ativa e passiva. Como há uma pontuação por índice e ainda uma divisão por estrelas, veículos com uma mesma quantidade de estrelas podem ser melhores ou piores entre si no que diz respeito à segurança. Ao todo, o CESVI estudou 47 equipamentos de segurança que existem na indústria automotiva e que podem evitar acidentes ou reduzir os ferimentos dos ocupantes e pedestres. São soluções nas estruturas dos veículos, tecnologias que informam o risco de acidente e até algumas que evitam situações de risco sem a intervenção do motorista.

O MAIS SEGURO 

Embora não esteja na tabela presente nesta matéria, que se restringe ao grupo de veículos mais vendidos do mercado, o Volvo XC90, na sua versão Inscription, atingiu 14 pontos na classificação, o que lhe conferiu 5 estrelas no ranking. O veículo é equipado com assistente de saída de faixa, detectores de veículos em ponto cego, controle adaptativo de cruzeiro, entre outros equipamentos que podem diminuir a chance de acidente e até evitar ferimentos mais graves em caso de colisão.

OS CRITÉRIOS 

Os grupos de equipamentos analisados para se chegar ao Índice de Segurança são os cinco que você vai ver a seguir, agora com detalhes. Segurança ativa São equipamentos que têm o objetivo de evitar o acidente. Nesse grupo, o CESVI estudou a presença de cinco componentes: Sistema antitravamento das rodas (ABS), distribuição eletrônica de frenagem (EBD), sistema de assistência à frenagem (BAS), controle eletrônico de estabilidade (ESC) e controle eletrônico de tração (TCS).

Segurança passiva 

Com o objetivo de amenizar os ferimentos aos ocupantes se o acidente for inevitável, os equipamentos de segurança passiva evoluíram muito nos últimos tempos. Nesse grupo, o CESVI registrou 18 itens, incluindo barras de proteção lateral, Isofix (acessório para retenção de crianças no banco traseiro), encosto de cabeça para todos os ocupantes, airbags e outros.

Assistência à condução 

Este é um novo grupo de equipamentos inserido no Índice de Segurança. Os equipamentos são aqueles que auxiliam o motorista durante a condução do veículo, podendo ser por meio de alertas sonoros e luminosos, ou até por imagens. Entre os 16 itens de assistência à condução contemplados nesse grupo estão detectores de faixa, desembaçador traseiro, limitador de velocidade e outros.

Assistência à segurança 

Também um grupo novo no Índice de Segurança. Os equipamentos aqui são aqueles que alertam o motorista sobre as condições de uso do veículo. São cinco itens contemplados: alerta de desativação de airbag (visível), alerta de uso de cinto de segurança para motorista, alerta de uso de cinto de segurança para passageiro dianteiro, alerta de uso de cinto para todos os ocupantes e detector de fadiga.

Proteção ao pedestre

O Código de Trânsito Brasileiro informa que os veículos maiores devem “ser responsáveis” pelos elementos menores, numa série que vai dos veículos pesados aos pedestres, passando pelos automóveis de passeio, motos e bicicletas. Ou seja, o pedestre é o mais vulnerável dessa cadeia – o que explica a inclusão desse novo grupo de equipamentos no Índice de Segurança do CESVI BRASIL. São componentes que têm o objetivo de amenizar ferimentos ao pedestre em caso de atropelamento. Aqui o centro de pesquisa checou a presença de três equipamentos: capô ativo, barra de proteção ao pedestre e airbag para pedestre.

BASE DE DADOS USADA 

A base de dados de veículos avaliados neste primeiro momento é formada pelos modelos mais vendidos de 2015, de acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). Ao todo, foram estudadas 293 versões, provenientes de 58 veículos de 14 montadoras. Essa base representa cerca de 90% dos veículos novos comercializados no ano passado. Os dados sobre os veículos foram pesquisados em fontes oficiais dos fabricantes durante os meses de junho a outubro de 2016. As fontes foram concessionárias, serviços de atendimento ao cliente e sites.

O MUNDO É MELHOR COM ELES

Veja a seguir a descrição de todos os equipamentos de segurança cuja presença melhora a classificação do veículo no índice do CESVI – e deixa a atividade de rodar com um automóvel muito menos arriscada.

– SEGURANÇA ATIVA

ABS – Antilock Braking System Sistema que evita o travamento das rodas em caso de frenagem de emergência.

EBD – Electronic Brake Distribution Sistema que distribui a frenagem entre as rodas para uma melhor performance dos freios, de acordo com o atrito.

BAS – Brake Assist System Sistema de auxílio à frenagem que aumenta a pressão nos freios, auxiliando o motorista a ter a máxima eficiência nessa operação.

ESC – Electronic Stability Control Controle eletrônico de estabilidade que evita que o motorista perca a direção do veículo. O sistema pode frear uma das rodas sem a intervenção do condutor, para manter o veículo na trajetória desejada.

TCS – Traction Control System Controle eletrônico de tração, que evita derrapagem em caso de aceleração brusca ou pisos escorregadios.

– SEGURANÇA PASSIVA

Airbags (frontal para motorista e passageiro, de cinto de segurança traseiro, de joelho, lateral de cabeça e lateral de tórax – interno e externo)

Bolsa inflável que atua para reduzir o risco de a cabeça e o corpo do ocupante baterem em alguma parte interna do veículo. Também ajuda a reduzir o risco de lesões graves, distribuindo a força da batida de maneira mais uniforme ao longo do corpo da pessoa.

Apoios de cabeça (frontal ativo, central traseiro, dianteiro regulável)

São acionados em caso de colisão traseira, prevenindo contra o efeito-chicote que ocorre no pescoço e na coluna cervical. Podem ter acionamento mecânico ou eletrônico. Barras de proteção lateral nas portas dianteiras e traseiras Peças estruturais para proteção dos ocupantes do veículo com o objetivo de protegê-los em caso de colisão lateral.

Cintos de segurança (traseiro retrátil de 3 pontos, dianteiro com pré-tensionador, dianteiro com regulagem de altura)

Têm ação de retenção do ocupante, segurando-o junto ao assento para que não seja arremessado para fora do veículo ou contra as partes internas do automóvel. O modelo com pré-tensionador tem acionamento pirotécnico para adequação do posicionamento do ocupante em caso de colisão.

Coluna de direção deformável

Em caso de colisão frontal, ela se retrai num ponto específico para proteger o condutor.

Isofix

Dispositivo instalado na carroceria do veículo que permite a fixação de cadeirinhas de criança.

Top Tether

Equipamento de fixação da parte superior da cadeirinha de criança ao veículo.

– ASSISTÊNCIA À CONDUÇÃO

ACC – Adaptive Cruise Control

Controle que adapta a velocidade de cruzeiro de acordo com a distância do veículo à frente, evitando colisões.

Alerta de frenagem de emergência

Sistema que alerta o motorista sobre a iminência de uma colisão frontal.

Alerta remoto de colisão – Assistência de emergência (SAMU)

Alerta de emergência de colisão que reporta a uma central em caso de acidente com o veículo.

Bluetooth original

Sistema de comunicação que evita distração ao volante.

BSD – Blind Spot Detection

Sistema de detecção de objetos na região de “ponto cego” do veículo.

Desembaçador traseiro

Sistema que desembaça os vidros traseiros, melhorando a visibilidade do condutor.

DLA – Dynamic Light Assist

Sistema que movimenta e adapta os fachos dos faróis automaticamente a fim de auxiliar o condutor em vias escuras, podendo ajustá-los lateralmente ou verticalmente.

HUD – Head–Up Display

Sistema que reproduz informações básicas no para-brisa do veículo a fim de evitar que o motorista desvie sua visão do caminho à frente.

HSA – Hill Start Assist

Sistema que auxilia o motorista em partidas em rampa, evitando que o veículo volte.

Detector de faixa (lane detection)

Sistema que identifica quando o veículo sai de sua faixa de rolagem, alertando o condutor para uma provável distração ou sonolência. Pode ter aviso sonoro e visual (luzes no painel de instrumentos).

Prevenção de saída de faixa

Sistema que detecta quando o veículo está saindo de sua faixa de rolagem e movimenta o volante automaticamente para que o veículo retorne à faixa.

Night Vision

Sistema que auxilia o motorista, por meio de câmeras externas e telas internas, a visualizar, em condições de pouca luminosidade, objetos e pessoas na via.

Limitador de velocidade e/ou alerta de velocidade

Sistema que alerta sobre, ou limita, a velocidade pré- configurada pelo condutor.

Road Sign Recognition

Sistema que faz a leitura de sinais de trânsito da rodovia e alerta o motorista sobre velocidade e demais informações das sinalizações verticais.

Frenagem autônoma de emergência

Sistema que freia o veículo de forma autônoma em caso de iminência de colisão.

TPM – Tire Pressure Monitoring

Monitora a pressão dos pneus do veículo a fim de evitar que o carro rode com pneus murchos, reduzindo o consumo e evitando o mau funcionamento de algum sistema de segurança ativa.

– ASSISTÊNCIA À SEGURANÇA

Alerta de desativação de airbag (visível)

Indicador visível a todos os ocupantes que indica o status do funcionamento do airbag do passageiro.

Alerta de uso de cinto de segurança (para motorista, passageiro dianteiro ou todos os ocupantes)

Avisa sobre o não acoplamento do cinto de segurança ao fecho.

Detector de fadiga

Sistema que identifica a sonolência do condutor, sugerindo uma pausa ao motorista a fim de evitar acidente.

– PROTEÇÃO AO PEDESTRE

Capô ativo

Sistema que aciona as dobradiças do capô em caso de atropelamento a fim de evitar ferimentos mais graves à região do tórax e cabeça do pedestre.

Barra de proteção ao pedestre

Barra posicionada na região dianteira do veículo para evitar agravamento de danos ao pedestre em caso de atropelamento.

Airbag para pedestre

Bolsa inflável que deflagra em caso de atropelamento com o objetivo de reduzir os ferimentos à cabeça do pedestre devido ao contato com o painel corta-fogo do veículo.

Fonte: Revista CESVI – Edição 104

https://www.slavierobsb.com.br/wp-content/themes/slaviero