Focus, Ranger e Eco Sport, os veículos mais seguros do Brasil

OS VEÍCULOS MAIS SEGUROS – CESVI ATUALIZA SEU ÍNDICE DE SEGURANÇA, AUMENTA OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E APONTA OS 20 MODELOS COM MELHORES CONJUNTOS DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO MERCADO NACIONAL

Idealizado em 2008 pela área de Pesquisa do CESVI BRASIL, o Índice de Segurança foi lançado para estabelecer um ranking de veículos baseado na presença de equipamentos de segurança em cada modelo. E agora esse índice mudou, adotando novos critérios, ficando mais rígido – em linha com o que os principais órgãos de classificação de veículos do mundo ligados à segurança têm feito. Sejam equipamentos de segurança de última tecnologia ou soluções mais simples, o fato é que um conjunto bem completo deles torna os veículos muito mais seguros. Nesta matéria, você vai conferir quais os modelos mais bem classificados entre os mais vendidos do mercado brasileiro – são os veículos mais seguros que você poderá encontrar nas concessionárias do país.

AS NOVIDADES DO ÍNDICE 

A necessidade de renovar o modelo tem a ver com o lançamento, pelo próprio CESVI, do Índice de Furto, em 2012 (o antigo Índice de Segurança incluía a segurança patrimonial, que com o ranking relacionado à prevenção ao furto ganhou um índice exclusivo para o tema), e com o surgimento de novos equipamentos de segurança desde 2008. Os veículos agora, além de um índice numérico (quanto menor o número do índice, melhor a classificação), são classificados entre 1 e 5 estrelas (quanto mais estrelas, melhor a classificação do carro). A pontuação de cada veículo considera pesos diferentes entre os cinco grupos básicos de equipamentos de segurança existentes nos mais modernos veículos da indústria. Os pesos foram divididos da seguinte forma:

Esse equilíbrio entre os pesos considerou a importância já comprovada dos equipamentos de segurança, colocando mais da pontuação na classificação sob os itens de segurança ativa e passiva. Como há uma pontuação por índice e ainda uma divisão por estrelas, veículos com uma mesma quantidade de estrelas podem ser melhores ou piores entre si no que diz respeito à segurança. Ao todo, o CESVI estudou 47 equipamentos de segurança que existem na indústria automotiva e que podem evitar acidentes ou reduzir os ferimentos dos ocupantes e pedestres. São soluções nas estruturas dos veículos, tecnologias que informam o risco de acidente e até algumas que evitam situações de risco sem a intervenção do motorista.

O MAIS SEGURO 

Embora não esteja na tabela presente nesta matéria, que se restringe ao grupo de veículos mais vendidos do mercado, o Volvo XC90, na sua versão Inscription, atingiu 14 pontos na classificação, o que lhe conferiu 5 estrelas no ranking. O veículo é equipado com assistente de saída de faixa, detectores de veículos em ponto cego, controle adaptativo de cruzeiro, entre outros equipamentos que podem diminuir a chance de acidente e até evitar ferimentos mais graves em caso de colisão.

OS CRITÉRIOS 

Os grupos de equipamentos analisados para se chegar ao Índice de Segurança são os cinco que você vai ver a seguir, agora com detalhes. Segurança ativa São equipamentos que têm o objetivo de evitar o acidente. Nesse grupo, o CESVI estudou a presença de cinco componentes: Sistema antitravamento das rodas (ABS), distribuição eletrônica de frenagem (EBD), sistema de assistência à frenagem (BAS), controle eletrônico de estabilidade (ESC) e controle eletrônico de tração (TCS).

Segurança passiva 

Com o objetivo de amenizar os ferimentos aos ocupantes se o acidente for inevitável, os equipamentos de segurança passiva evoluíram muito nos últimos tempos. Nesse grupo, o CESVI registrou 18 itens, incluindo barras de proteção lateral, Isofix (acessório para retenção de crianças no banco traseiro), encosto de cabeça para todos os ocupantes, airbags e outros.

Assistência à condução 

Este é um novo grupo de equipamentos inserido no Índice de Segurança. Os equipamentos são aqueles que auxiliam o motorista durante a condução do veículo, podendo ser por meio de alertas sonoros e luminosos, ou até por imagens. Entre os 16 itens de assistência à condução contemplados nesse grupo estão detectores de faixa, desembaçador traseiro, limitador de velocidade e outros.

Assistência à segurança 

Também um grupo novo no Índice de Segurança. Os equipamentos aqui são aqueles que alertam o motorista sobre as condições de uso do veículo. São cinco itens contemplados: alerta de desativação de airbag (visível), alerta de uso de cinto de segurança para motorista, alerta de uso de cinto de segurança para passageiro dianteiro, alerta de uso de cinto para todos os ocupantes e detector de fadiga.

Proteção ao pedestre

O Código de Trânsito Brasileiro informa que os veículos maiores devem “ser responsáveis” pelos elementos menores, numa série que vai dos veículos pesados aos pedestres, passando pelos automóveis de passeio, motos e bicicletas. Ou seja, o pedestre é o mais vulnerável dessa cadeia – o que explica a inclusão desse novo grupo de equipamentos no Índice de Segurança do CESVI BRASIL. São componentes que têm o objetivo de amenizar ferimentos ao pedestre em caso de atropelamento. Aqui o centro de pesquisa checou a presença de três equipamentos: capô ativo, barra de proteção ao pedestre e airbag para pedestre.

BASE DE DADOS USADA 

A base de dados de veículos avaliados neste primeiro momento é formada pelos modelos mais vendidos de 2015, de acordo com a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). Ao todo, foram estudadas 293 versões, provenientes de 58 veículos de 14 montadoras. Essa base representa cerca de 90% dos veículos novos comercializados no ano passado. Os dados sobre os veículos foram pesquisados em fontes oficiais dos fabricantes durante os meses de junho a outubro de 2016. As fontes foram concessionárias, serviços de atendimento ao cliente e sites.

O MUNDO É MELHOR COM ELES

Veja a seguir a descrição de todos os equipamentos de segurança cuja presença melhora a classificação do veículo no índice do CESVI – e deixa a atividade de rodar com um automóvel muito menos arriscada.

– SEGURANÇA ATIVA

ABS – Antilock Braking System Sistema que evita o travamento das rodas em caso de frenagem de emergência.

EBD – Electronic Brake Distribution Sistema que distribui a frenagem entre as rodas para uma melhor performance dos freios, de acordo com o atrito.

BAS – Brake Assist System Sistema de auxílio à frenagem que aumenta a pressão nos freios, auxiliando o motorista a ter a máxima eficiência nessa operação.

ESC – Electronic Stability Control Controle eletrônico de estabilidade que evita que o motorista perca a direção do veículo. O sistema pode frear uma das rodas sem a intervenção do condutor, para manter o veículo na trajetória desejada.

TCS – Traction Control System Controle eletrônico de tração, que evita derrapagem em caso de aceleração brusca ou pisos escorregadios.

– SEGURANÇA PASSIVA

Airbags (frontal para motorista e passageiro, de cinto de segurança traseiro, de joelho, lateral de cabeça e lateral de tórax – interno e externo)

Bolsa inflável que atua para reduzir o risco de a cabeça e o corpo do ocupante baterem em alguma parte interna do veículo. Também ajuda a reduzir o risco de lesões graves, distribuindo a força da batida de maneira mais uniforme ao longo do corpo da pessoa.

Apoios de cabeça (frontal ativo, central traseiro, dianteiro regulável)

São acionados em caso de colisão traseira, prevenindo contra o efeito-chicote que ocorre no pescoço e na coluna cervical. Podem ter acionamento mecânico ou eletrônico. Barras de proteção lateral nas portas dianteiras e traseiras Peças estruturais para proteção dos ocupantes do veículo com o objetivo de protegê-los em caso de colisão lateral.

Cintos de segurança (traseiro retrátil de 3 pontos, dianteiro com pré-tensionador, dianteiro com regulagem de altura)

Têm ação de retenção do ocupante, segurando-o junto ao assento para que não seja arremessado para fora do veículo ou contra as partes internas do automóvel. O modelo com pré-tensionador tem acionamento pirotécnico para adequação do posicionamento do ocupante em caso de colisão.

Coluna de direção deformável

Em caso de colisão frontal, ela se retrai num ponto específico para proteger o condutor.

Isofix

Dispositivo instalado na carroceria do veículo que permite a fixação de cadeirinhas de criança.

Top Tether

Equipamento de fixação da parte superior da cadeirinha de criança ao veículo.

– ASSISTÊNCIA À CONDUÇÃO

ACC – Adaptive Cruise Control

Controle que adapta a velocidade de cruzeiro de acordo com a distância do veículo à frente, evitando colisões.

Alerta de frenagem de emergência

Sistema que alerta o motorista sobre a iminência de uma colisão frontal.

Alerta remoto de colisão – Assistência de emergência (SAMU)

Alerta de emergência de colisão que reporta a uma central em caso de acidente com o veículo.

Bluetooth original

Sistema de comunicação que evita distração ao volante.

BSD – Blind Spot Detection

Sistema de detecção de objetos na região de “ponto cego” do veículo.

Desembaçador traseiro

Sistema que desembaça os vidros traseiros, melhorando a visibilidade do condutor.

DLA – Dynamic Light Assist

Sistema que movimenta e adapta os fachos dos faróis automaticamente a fim de auxiliar o condutor em vias escuras, podendo ajustá-los lateralmente ou verticalmente.

HUD – Head–Up Display

Sistema que reproduz informações básicas no para-brisa do veículo a fim de evitar que o motorista desvie sua visão do caminho à frente.

HSA – Hill Start Assist

Sistema que auxilia o motorista em partidas em rampa, evitando que o veículo volte.

Detector de faixa (lane detection)

Sistema que identifica quando o veículo sai de sua faixa de rolagem, alertando o condutor para uma provável distração ou sonolência. Pode ter aviso sonoro e visual (luzes no painel de instrumentos).

Prevenção de saída de faixa

Sistema que detecta quando o veículo está saindo de sua faixa de rolagem e movimenta o volante automaticamente para que o veículo retorne à faixa.

Night Vision

Sistema que auxilia o motorista, por meio de câmeras externas e telas internas, a visualizar, em condições de pouca luminosidade, objetos e pessoas na via.

Limitador de velocidade e/ou alerta de velocidade

Sistema que alerta sobre, ou limita, a velocidade pré- configurada pelo condutor.

Road Sign Recognition

Sistema que faz a leitura de sinais de trânsito da rodovia e alerta o motorista sobre velocidade e demais informações das sinalizações verticais.

Frenagem autônoma de emergência

Sistema que freia o veículo de forma autônoma em caso de iminência de colisão.

TPM – Tire Pressure Monitoring

Monitora a pressão dos pneus do veículo a fim de evitar que o carro rode com pneus murchos, reduzindo o consumo e evitando o mau funcionamento de algum sistema de segurança ativa.

– ASSISTÊNCIA À SEGURANÇA

Alerta de desativação de airbag (visível)

Indicador visível a todos os ocupantes que indica o status do funcionamento do airbag do passageiro.

Alerta de uso de cinto de segurança (para motorista, passageiro dianteiro ou todos os ocupantes)

Avisa sobre o não acoplamento do cinto de segurança ao fecho.

Detector de fadiga

Sistema que identifica a sonolência do condutor, sugerindo uma pausa ao motorista a fim de evitar acidente.

– PROTEÇÃO AO PEDESTRE

Capô ativo

Sistema que aciona as dobradiças do capô em caso de atropelamento a fim de evitar ferimentos mais graves à região do tórax e cabeça do pedestre.

Barra de proteção ao pedestre

Barra posicionada na região dianteira do veículo para evitar agravamento de danos ao pedestre em caso de atropelamento.

Airbag para pedestre

Bolsa inflável que deflagra em caso de atropelamento com o objetivo de reduzir os ferimentos à cabeça do pedestre devido ao contato com o painel corta-fogo do veículo.

Fonte: Revista CESVI – Edição 104

Ford Ecoboost 1.0, motor internacional do ano pela sexta vez

O Ford EcoBoost 1.0 foi eleito Motor Internacional do Ano 2017 no segmento de até 1.0 litro pelo sexto ano consecutivo. Esse prêmio é uma confirmação de que, desde o seu lançamento global em 2012, o motor turbo compacto de três cilindros da Ford continua imbatível e entra para a história como o mais premiado da categoria.

O EcoBoost 1.0 foi eleito “Melhor Motor até 1.0 litro” por um júri de 58 jornalistas automotivos de 31 países, inclusive do Brasil. Este ano, a categoria contou com 35 motores, nove a mais que no ano de estreia do EcoBoost 1.0. Os jurados elogiaram a combinação de desempenho, economia de combustível e tecnologia do propulsor.

No Brasil, o EcoBoost 1.0 é oferecido desde o ano passado no New Fiesta, com potência de 125 cv. Na Europa, ele está disponível também em versões de 100 cv e 140 cv.

“O motor Ford EcoBoost ainda é o melhor 1.0 de três cilindros do mercado, apesar do lançamento de motorizações mais recentes”, diz Dean Slavnich, co-presidente do 19° Motor International do Ano realizado em Stuttgart, na Alemanha e editor-chefe da revista Engine Technology International. “Ainda mais impressionante é ele ser o primeiro motor da categoria a vencer o título em todos os anos em que concorreu.”

Nova tecnologia

No início de 2018, o motor EcoBoost 1.0 litro vai agregar uma nova tecnologia para reduzir ainda mais o consumo, desativando automaticamente um dos cilindros quando a capacidade máxima não é necessária. Exemplo de engenharia avançada, essa tecnologia permite desativar ou reativar um cilindro em 14 milissegundos – 20 vezes mais rápido que um piscar de olhos – sem comprometer o desempenho ou o refinamento.

“O motor EcoBoost 1.0 é um divisor de águas a tornou-se a referência em motores compactos e eficientes, com tecnologias sofisticadas de turbo, injeção direta de combustível e duplo comando variável de válvulas”, diz Joe Bakaj, vice-presidente de Desenvolvimento do Produto da Ford Europa. “Mesmo com dez prêmios de Motor Internacional do Ano conquistados, ainda estamos encontrando caminhos para avançar na engenharia e entregar ainda mais benefícios para os clientes do EcoBoost.”

Fonte: www.ford.com.br

Ford Ka é vice-líder do mercado no trimestre e puxa o resultado da marca

  • O Ford Ka manteve a tendência de crescimento e consolidou sua posição como o segundo veículo mais vendido do mercado brasileiro no primeiro trimestre de 2018
  • As 9.622 unidades do hatch vendidas em março representam um crescimento de 20% comparado ao mesmo mês do ano passado
  • No acumulado do trimestre o modelo somou 23.559 unidades, 13% mais que em igual período de 2017

O Ford Ka manteve a tendência de crescimento e consolidou sua posição como o segundo veículo mais vendido do mercado brasileiro no primeiro trimestre de 2018. As 9.622 unidades do hatch vendidas em março representam um crescimento de 20% comparado ao mesmo mês do ano passado. No acumulado do trimestre o modelo somou 23.559 unidades, 13% mais que em igual período de 2017.

O Ka Sedan foi outro modelo que subiu no ranking no trimestre. Depois de começar o ano em quinto lugar entre os sedãs compactos e assumir a terceira posição em fevereiro, tornou-se o segundo mais vendido da categoria em março.

“O Ka é um carro que agrada pelo design moderno e espaçoso, pela eficiência dos motores e conteúdo de equipamentos. O crescimento nas vendas mostra que cada vez mais os clientes também estão reconhecendo as qualidades do Ka Sedan, que além das mesmas vantagens do hatch oferece mais espaço para a família”, diz Bruno Venditti, gerente de Varejo da Ford.

O novo EcoSport também apresentou uma grande evolução no trimestre, mostrando que as mudanças fizeram bem ao modelo. O SUV renovado emplacou 6.929 unidades no período, um avanço 23,4% comparado ao primeiro trimestre do ano passado.

O desempenho desses modelos contribuiu para a Ford fechar o trimestre com um resultado acima da indústria e 9,4% de participação. As 51.411 unidades vendidas pela marca representam um crescimento de cerca de 17% comparado ao ano passado, enquanto o mercado avançou 15,6%.

AGENDAR TEST-DRIVE

https://www.slavierobsb.com.br/wp-content/themes/slaviero